crianças madrugam na escola e esperam professora sozinhas em Itamaraju

< Voltar
crianças madrugam na escola e esperam professora sozinhas em Itamaraju

 

 

 
Por Tony Silva | Fotos: Reprodução

 

Crianças da zona rural do município de Itamaraju, no extremo sul da Bahia, sofrem para ter acesso ao simples direito de estudar. O motorista do transporte escolar, de uma empresa terceirizada, que presta serviço à prefeitura da cidade, gravou vídeos no início da manhã da última quarta-feira (14), denunciando as dificuldades que os alunos de idades entre quatro e nove anos, que moram no povoado da fazenda Tururim, enfrentam para chegar à escola na fazenda Vitória. As duas comunidades têm uma distância média de 5km entre as duas.

De acordo com as imagens e o relato do motorista no vídeo, cerca de 10 crianças viajam durante a madrugada em um veículo Kombi com lotação além da capacidade e sem cinto de segurança e depois de andar cerca de 20 minutos chegam a escola por volta das 6h e ficam até as 7h30 aguardando a unidade de ensino ser aberta, sem a companhia de nenhum adulto, expostos a riscos. 

A reportagem do BNews conversou com o morador da fazenda Tururim Clóvis Floriano, 38 anos, que relatou as dificuldades da criança do povoado. Segundo ele, a escola que atende cerca de 10 crianças da fazenda está desativada desde o início deste ano e funcionava em um cômodo que mede cerca de 5x5 metros, sem banheiro e com necessidade de pintura e outras reformas. Segundo Clóvis, o motorista do transporte escolar foi demitido um dia após as denúncias.

“Pedimos que o prefeito reformasse, mas depois que fechou a escola algumas crianças passaram a frequentar a da fazenda Vitória que fica a 4km de distância. Alguns pais tiraram os filhos da escola por causa da distancia e principalmente o horário que o transporte pega e deixa a criança em casa”, relata.

Segundo relata o motorista do transporte escolar e Clóvis Floriano, quando as crianças saem para escola ainda está escuro. A estrada é de barro, quando a previsão do tempo anuncia chuva, o transporte escolar não aparece. Ainda conforme a denúncia, na hora de voltar para casa, o sofrimento dos alunos não é diferente. As aulas encerram às 11 da manhã e o transporte escolar só passa por volta das 13h30, horário em que ficam aguardando sem alimentação e nenhuma acompanhamento de adulto. 

Em uma das imagens, as crianças aparecem amontoadas no transporte, em pé e sem cinto de segurança. Além da insegurança no veículo, as vias são de barro. Ao chegar na escola, elas ficam sozinhas próximas as casas abandonadas e uma represa.

A reportagem do BNews conseguiu entrar em contato com o secretário de Administração de Itamaraju, Edson Oss, que rebateu as denúncias e afirmou que a gestão tomará providências para solucionar as dificuldades das crianças ainda nesta segunda-feira (19).

Segundo Oss, a denúncia não procede e sempre que as crianças chegam à escola tem uma funcionária aguardando para supervisioná-las até a chegada da professora.

O gestor municipal ainda explicou que esteve nesta sexta-feira (16) no povoado para ouvir os pais das crianças a fim de buscar soluções, mas por não ter encontrado todos, remarcou uma nova reunião para esta segunda-feira (19).

Oss afirmou que a partir desta data o problema será solucionado, desde a possível reforma da escola na comunidade de Itururim até os problemas do transporte dos alunos.

O secretário de Administração também contestou uma das imagens em que as crianças aparecem amontoadas ao lado do motorista da Kombi. Conforme Edson Oss, o vídeo não mostra o restante dos alunos dentro do carro, o que transparece que de propósito alguém acumulou alunos em uma só parte do veículo para forçar a interpretação de superlotação.